Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar

Após a pandemia, intercâmbio pode reunir romance e estudo

Tempo de leitura: 4 minutos

Veja países com boas opções de atividades para casais

por Ruan Reis sex, 12/06/2020 – 14:01

Freepik

.Freepik

Para entender como o Dia dos Namorados está sendo afetado pelo isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus, o LeiaJá, inspirados em muitas histórias de romance, conversou com um casal que decidiu fazer um intercâmbio juntos e hoje, mesmo distantes, contam as experiências que tiveram e não veem a hora de se encontrarem.

Um intercâmbio a dois

O ano era 2014 quando Carol Passos fez seu primeiro intercâmbio sozinha para Malta. Quando voltou ao Brasil, já se via apaixonada pelo “mundão” que havia conhecido. De olho em outra viagem, seu coração só pensava em uma coisa: animar seu companheiro para embarcar nessa nova aventura ao lado dela. “Ele foi gostando da ideia e começamos a pesquisar juntos. Até que nós começamos a frequentar feiras de intercâmbio e uma delas foi da agência Trust Intercâmbio, em Campinas, São Paulo. Optamos por viajar por ela e escolhemos a escola FLS International que fica dentro do Cítrus College em Glendora, localizada perto de Los Angeles”.

O casal, que já se planejava para ter uma experiência juntos fora do país, admite não ser tão fãs de frio e por isso eles optaram por uma cidade ensolarada. Na época, eles visavam aperfeiçoar o nível de inglês e, no intercâmbio, se sentiram bastante inseridos na cultura americana. “Gostamos muito porque a escola em si é dentro de uma universidade e foi o que mais nos atraiu para esse destino. Não ficamos na mesma sala ou na mesma turma da escola porque eu já tava no avançado e ele estava no intermediário, mas durante o intervalo nós nos encontrávamos. Nossas aulas eram o dia inteiro, das 9h às 17h, então era bem cansativo”, revela Carol. 

Carol Passos e Richard Duarte relembram que passaram um mês nesse intercâmbio e, dentre as experiências adquiridas, ambos fizeram uma excursão com os amigos da escola e se hospedaram em uma casa de família nada tradicional. “Foi algo muito interessante. No começo, ficamos com muito medo da família não aceitar um casal, mas fomos para uma casa de família que até hoje eu falo com a mãe. Ela era uma mulher solteira com dois filhos adolescentes. A família é bem mente aberta e foi super bacana conosco. Ficamos super amigo deles e até hoje conversarmos”, diz Carol Passos.

Como eles não só estavam lá para estudar, aproveitaram para curtir um pouco um fim de semana juntos com direito a muita diversão. “Fizemos uma viagem para Las Vegas durante um final de semana que foi muito legal. Teve pessoas que falaram ‘Nossa, um casal em Las Vegas? É bom ir solteiro.’ Demos várias risadas e nos divertimos bastante, conhecemos vários hotéis e cassinos por lá”. 

Carol mora atualmente na Alemanha sem seu companheiro e devido à pandemia, eles pretendem se reencontrar no próximo ano. “Já faz cinco meses que estou na Alemanha sem ele e embora eu já tenha feito bastante amigos, não é igual. Ter feito um intercâmbio com ele foi mais fácil, porque eu não me senti sozinha, um ajuda o outro e isso é maravilhoso”, relata. 

Carol Passos e Richard Duarte em Las Vegas. Foto: Cortesia

O LeiaJá reuniu especialistas para listar os melhores lugares para curtir e estudar em um intercâmbio pós-pandemia. “Namorando ou casados, muitos procuram fazer um intercâmbio juntos. Uma modalidade muito comum é quando um dos parceiros vai fazer mestrado no exterior e o outro busca um curso de aperfeiçoamento do idioma e/ou curso de especialização na área que é formado”, diz a especialista Lorena Peretti, CEO da Minds Travel Intercâmbio.

Ela pontua os melhores países para os casais que buscam mais do que estudos. “Para quem quer seguir com a carreira acadêmica e/ou empresarial, Londres é o melhor lugar; já para quem deseja aperfeiçoar o idioma, sugiro a Austrália, pois eles são famosos pela recepção e boas acomodações em casa de família”, opina.

Bruna Suassuna, especialista da agência STB Intercâmbio, também afirma que o melhor lugar para fazer um intercâmbio em casal é na Austrália. “Gosto muito da Austrália, porque eu já mandei alguns casais para lá que adoraram a proposta. Além disso, o país tem os seus encantos particulares. Se você for à Melbourne, por exemplo, terá escolas maravilhosas, cidade grande, organizada, baladas para curtir a dois, entre outros coisas”, descreve Bruna. 

A especialista ainda listou cinco países para quem deseja fazer um intercâmbio em casal pós-pandemia; confira:

1 – Austrália

2 – Inglaterra

3 – Canadá

4 – Escócia

5 – Itália

Antes de qualquer viagem, planejamento é essencial. “No mínimo se planejar por um semestre. Estudar bem o clima, escola que deseja cursar, acomodações, vistos e, principalmente, calcular a média de custo por mês no local escolhido para optar pelo período assertivo que pode ficar no exterior. Um ponto importante que o casal deve ponderar é se são flexíveis para ficar na casa de outras pessoas, e/ou dividir quarto com outras pessoas, pois isso pode tornar o intercâmbio mais barato. Por último, checar sempre se a saúde está em dia e se o destino escolhido estará acolhendo brasileiros pós-pandemia”, esclarece Lorena Peretti.


Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Feito por Nerau Studio